Animais

Doenças de pele em cães: cinco problemas comuns e suas soluções

Pin
Send
Share
Send
Send


A grande maioria das vezes isso pode ser desenvolvido pela chegada de uma pulga ou de um parasita em uma de suas caminhadas.

As doenças de pele em cães são mais comuns do que se pensava, geralmente estão associadas à falta de cuidado e higiene neles. Porém, na grande maioria das vezes isso pode ser desenvolvido pela chegada de uma pulga ou um parasita em uma de suas caminhadas, a qualidade da água ou dos alimentos que consome e as constantes mudanças de temperatura a que o cão pode ser exposto.

Uma identificação precoce da doença é importante, para que o tratamento a ser seguido seja estabelecido. Quando um cão está desenvolvendo uma doença em sua pele, geralmente ocorrem sintomas como perda de cabelo, vermelhidão da pele, sede excessiva e aparecimento de flocos brancos semelhantes aos da caspa nos seres humanos.

Estas são as doenças mais comuns que seu animal de estimação pode desenvolver e os cuidados que você deve tomar.

1. Alergia alimentar

Esta é geralmente uma das causas mais comuns de doenças de pele em cães. Como os cães, como os seres humanos, têm organismos diferentes e nem todos toleram os mesmos alimentos. Tomate, trigo, milho, pimentão e laticínios são os elementos que mais rejeitam seu sistema imunológico.

Nesse caso, os sintomas que os animais geralmente apresentam são prurido intenso, perda de cabelo, perda de apetite, vômito, diarréia e mau hálito.

2. Alergia à picada de inseto.

Pulgas e carrapatos, encontrar nos cães uma iguaria para desenvolver todas as suas atividades. É importante detectá-los a tempo, pois eles podem causar sérias irritações na pele e, como saltam de um animal para outro, carregam um grande número de germes e bactérias que podem desencadear outras doenças, especialmente no sistema nervoso central.

Os sintomas que ocorrem neste caso são: Aparência de erupções cutâneas na pele, prurido excessivo, irritação da pele, perda de cabelo e desconforto ao dormir.

Esta doença é causada pelo aparecimento de um ácaro ou de diferentes parasitas que causam irritação na pele do animal. Esta doença deve ser tratada rapidamente, porque, se for deixada para a frente, alcançará graus que dificilmente serão curados.

Sarna sarcóptica: É apresentada por contato direto entre cães que sofrem da doença. É caracterizada pela vermelhidão das orelhas e da barriga, que também pode se espalhar para os seres humanos.

Sarna demodécica: Neste caso, a doença é hereditária, ou seja, o macho ou a fêmea durante o processo de gestação do cão a sofreu e, portanto, os filhotes nascerão com ela. Os sintomas variam de perda de cabelo, maus odores e inflamação. Normalmente nesses casos, a doença não é contagiosa.

4. Dermatite úmida

Esta doença geralmente se desenvolve quando pulgas e carrapatos não são tratados a tempo. Os sintomas mais comuns são: vermelhidão, descamação, irritação e aparência de círculos de matéria em diferentes partes do corpo.

O complexo desta doença é que os sintomas aparecem em algumas partes do corpo que são imperceptíveis e difíceis de acessar para cães, por isso gera uma sensação de desamparo nos cães por arranhar e não queimar a sensação de queimação.

5. câncer de pele

Uma das doenças mais graves que podem ocorrer. Portanto, uma detecção precoce deve ser realizada para que os efeitos dela também possam ser neutralizados. Os sintomas são bastante semelhantes aos das condições acima mencionadas: aparência de bolas de matéria, perda excessiva de cabelo, coceira e segregação de líquidos.

Felizmente, esta doença tem cura com detecção precoce e tratamento intensivo por um veterinário.

Dicas e recomendações

É importante ter em mente que, quando surgir um problema na pele do seu cão, você deve ir imediatamente ao seu veterinário de confiança para iniciar o tratamento correspondente. No entanto, é essencial tomar as precauções necessárias para que seu cão não desenvolva essas doenças no futuro.

1. Periodicamente, vá ao veterinário para realizar verificações de rotina em seu animal de estimação.

2. Alimente seu animal de estimação com produtos naturais e saudáveis, evitando concentrados de baixa qualidade e alimentos que não são facilmente digeridos.

3. Impedir que seu cão se banhe em rios ou lugares pouco saudáveis, mesmo que isso seja uma grande tentação para ele.

4. Sempre use um sabonete específico para cães, pois estes são feitos de componentes essenciais para o cuidado do cabelo e da pele.

5. Seque completamente o seu animal de estimação quando molhado, para evitar o desenvolvimento de alergias e o aparecimento de fungos.

1. Parasitas, uma fonte de problemas para a pele do cão

Pulgas ou carrapatos são culpados pelo aparecimento na lata de vários problemas dermatológicos, como dermatite.

As pulgas que mordem o cão causam uma coceira que resulta em um arranhão compulsivo que causa irritação na pele chamada dermatite alérgica por picada de pulga. Esta condição é caracterizada por causar inflamação e vermelhidão na pele.

Pulgas e carrapatos causam irritações na pele do cão que são agravadas quando lambidas e arranhadas

Pulgas e carrapatos, além de causar irritação na pele, podem causar doenças parasitárias ou infecciosas graves em cães, como erliquiose canina. Portanto, é essencial manter esses parasitas afastados com produtos específicos e eficazes para cães, que também respeitam a pele do animal.

2. Problemas na pele do cão devido a alergias

A pele da lata pode apresentar problemas, como prurido (espinhas pequenas) e outras irritações ou vermelhidão devido a alergias alimentares ou agentes externos, como o pólen.

A dermatite atópica é a patologia alérgica da pele mais comum entre os cães. Os sintomas que alertam para esta doença no cão são: comichão, comichão, vermelhidão e secura.

Alergia ao pólen, picadas de insetos e certos alimentos são as causas habituais que desencadeiam essa patologia na pele canina.

Uma dieta rica em ácidos graxos e alimentos hipoalergênicos ajuda cães com problemas de pele

Uma dieta rica em ácidos graxos (ômega 3 e 6) com ração hipoalergênica e higiene adequada do cão favorecem que os cães que sofrem dessa doença crônica tenham sintomas controlados.

3. Traços que deixam uma marca na pele do cão

Golpes, queimaduras, abusos ou acidentes domésticos têm consequências para a pele do cão. Dependendo do tipo de lesão em questão e de sua gravidade, o tratamento consistirá no uso de anti-sépticos, curativos, antibióticos ou pomadas anti-inflamatórias, que serão prescritas pelo veterinário.

"Lesões em cães geralmente ocorrem no ambiente doméstico", diz Maria Victoria Acha, veterinária. A cozinha é um dos lugares da casa em que os cães, principalmente os filhotes, podem sofrer acidentes que os causam. queimaduras, cortes e inchaços que afetam a pele.

Portanto, é aconselhável evitar o acesso a locais onde o animal pode ser ferido e sofrer lesões dermatológicas.

4. Tumores e cistos na pele de cães

Tumores cancerígenos na pele (carcinoma), cistos sebáceos, adenomas (semelhantes a uma verruga) ou melanomas (manchas na pele) "são condições dermatológicas comuns em cães", explica Imanol Sagarzazu, veterinário e dermatologista. Cães mais velhos, a partir dos 11 anos, são mais propensos a sofrer com esse tipo de patologia dermatológica.

As consequências são inflamação, acúmulo de líquido ou gordura no interior, vermelhidão ou escurecimento da pele. Portanto, eles requerem tratamento específico, dependendo do caso e do grau de gravidade determinado pelo veterinário.

5. Doenças internas afetam a pele canina

Doenças metabólicas, como diabetes, também se refletem na saúde da pele do cão

Se órgãos vitais como o fígado do cão estão doentes, a pele reflete o estado interno do cão através de sua cor ou textura. Doenças metabólicas, como a síndrome de Cushing, diabetes em cães e hipertireoidismo também afetam a saúde da pele canina, o que pode resultar em úlceras, feridas e difícil cicatrização.

Esses tipos de doenças metabólicas são mais comuns em cães mais velhos - a partir dos 11 anos de idade.

Três orientações simples para o cão ter uma pele saudável

Algumas dicas ajudam o cão a manter a pele em forma.

Desparasitação externa do cão para evitar pulgas e carrapatos.

Banhos com produtos adequados e sempre que necessário, porque o excesso de água e sabão também pode danificar a pele e desequilibrar seu pH.

Feridas mal curadas são uma porta aberta para infecções de pele, por isso é aconselhável limpá-las e impedir que o cão lamba.

Doenças

Pulgas Quando uma pulga morde, uma saliva peluda causa uma reação cutânea com comichão. Se o seu animal é alérgico a pulgas, o problema pode se espalhar por todo o corpo. O melhor tratamento é prevenir.

Sarna Esta doença causa prurido extremo e erupções cutâneas. O veterinário enviará um tratamento para seu animal, mas lembre-se de que você também deve desinfetar roupas, móveis e tapetes em sua casa.

Demodex Um grande número desses ácaros pode causar doenças de pele. Cães com um sistema imunológico fraco podem desenvolver perda de cabelo, feridas e pele inflamada.

Micose É uma doença fúngica muito contagiosa que é facilmente transmitida de animais para seres humanos. Causa coceira, perda de cabelo e inflamação.

Alergias sazonais ou alimentares. Eles podem ser difíceis de diagnosticar devido aos seus sintomas variados. Pegue uma lista de alimentos e lanches que seu animal de estimação ingere ao veterinário, diga a ele a época do ano em que mais sintomas aparecem, que tecido é a cama dele, com que detergente você lava as roupas ou a cama, que xampu você usa para banhá-lo ...

Infecções de pele. Ocorre quando bactérias oportunistas entram no corpo através de abrasões. Eles podem causar dor, coceira, sangramento e geralmente requerem antibióticos poderosos para serem tratados.

Produtos de higiene. Certos shampoos, colônias ou produtos de higiene podem irritar a pele de nossos amigos. Certifique-se de fornecer a ele produtos especiais para sua raça e / ou consulte seu veterinário para recomendar qual produto é melhor para o seu tipo de pele.

Estresse ou tédio. Se você lamber ou morder, especialmente as pernas, é uma resposta à ansiedade ou ao tédio. Os cães sofrem estresse por separação, mudanças no lar ... Se não tiverem metal suficiente ou ocupação física, podem se machucar e criar vermelhidão ou feridas.

Doenças metabólicas Alguns afetam as glândulas, como a doença de Addison, com sintomas como alterações na camada capilar ou descoloração da pele.

Problemas hormonais Os hormônios reprodutivos de alguns cães podem causar alopecia ou perda generalizada de pêlos. Raças de pêlo curto como Chihuahua ou mini Pischer são propensas a alopecia.

Distúrbios neurológicos Certos distúrbios do cérebro, medula espinhal ou nervos podem levar a mordidas inexplicáveis ​​ou arranhões na pele. Quando os sinais que vão do cérebro aos nervos periféricos são alterados, podem causar dor, coceira ou uma sensação estranha que faz com que o cão morde ou coça demais. Outras doenças neurológicas podem atacar o cérebro e as células da pele.

Por que meu cachorro tem pele irritada?

Para saber o que fazer se o seu cão tiver pele irritada, a primeira coisa será saber as causas que podem causar essa irritação. Em geral estaremos antes dermatiteesse é o inflamação da pele Eles podem causar alergias, contato com substâncias irritantes ou parasitas, especialmente pulgas. Todos esses distúrbios podem afetar cães de qualquer idade, em maior ou menor grau, e deve ser o nosso veterinário que, após revisar o cão e os testes relevantes, determina o diagnóstico. Para ajudá-lo nessa tarefa, podemos observar aspectos como os seguintes, que fornecerão informações muito importantes para o diagnóstico:

  • Dados sobre o estilo de vida do nosso cão, ou seja, em que ambiente ele vive ou anda, quando, por quanto tempo, qual é o relacionamento dele com outros animais, etc.
  • Alimento
  • Medicamentos antiparasitários usados ​​e seu calendário de uso, bem como se você estiver tomando ou tomando algum medicamento Se o nosso cão já foi tratado por irritação na pele, também devemos notificar o veterinário.
  • Como começou a irritação e se é a primeira vez que ocorre ou é uma recaída.
  • Leve em consideração se ocorre apenas em uma determinada época do ano ou em qualquer uma delas.
  • Veja se existe presença de prurido e se for leve, moderado ou intenso.
  • Verifique o cão para ver se a irritação é localizado para alguma área ou, pelo contrário, é difundido. Neste último caso, você deve saber qual foi a velocidade da extensão.
  • Também é importante anotar as características das lesões, como forma, cor, formação ou não de feridas, etc.
  • Finalmente, devemos observar se o nosso cão tem outros sintomas.

Além de contemplar todos esses dados, o veterinário examinará nosso cão e poderá realizar testes como a observação de amostras de pêlos e pele, arranhões, culturas, exames com a lâmpada Wood (discrimina a presença de fungos), biópsias ou testes de alergia . A seguir, veremos as causas mais comuns de irritação da pele em cães.

Dermatite atópica, a principal causa de irritação da pele do cão

Esta condição pressupõe uma predisposição do cão a desenvolver reações dehipersensibilidade a diferentes alérgenos que serão localizados no ambiente. A pele aparecerá irritado, inflamado e com coceira como uma reação a ácaros, pólen, esporos, etc. Esta dermatite geralmente ocorre em cães jovens, com idades entre 6 meses e 3 anos. As lesões podem ser sazonais ou mantidas ao longo do ano e podem aparecer de maneira generalizada ou focar em certas áreas, como a face ou os pés. Como o cão está coçando, é fácil para feridas, alopecia e outras complicações secundárias ao coçar. O quadro também pode ser complicado com o desenvolvimento de otite ou conjuntivite.

Para estabelecer o que fazer se o nosso cão irritar a pele por esse motivo, devemos levar em consideração que é uma doença tratável, mas não curável, o que significa que o tratamento será vitalício. Assim, o contato com alérgenos deve ser evitado, se possível. Em geral, a dermatite atópica é tratada com banhos, dieta hipoalergênica e com ácidos graxos, controle escrupuloso das pulgas (veremos que esses parasitas podem ser uma fonte de dermatite) e imunoterapia nos casos recomendados, isto é, administração de vacinas. Medicamentos para controlar prurido ou drogas contra possíveis infecções associadas também podem ser prescritos durante crises. É um distúrbio relativamente frequente.

Irritação da pele do cão devido a alergia alimentar

Ocasionalmente, a irritação da pele tem origem na reação de hipersensibilidade a alérgenos presentes nos alimentos, como carnes, laticínios, cereais, soja, ovos, peixe ou alguns aditivos. É outra dermatite frequente em cães e tem como característica básica a comichão em diferentes partes do corpo, que, como vimos, podem ser responsáveis ​​por lesões secundárias por arranhões (autotraumatismos). Também pode ser complicado com otites e, em menor grau, com sinais gastrointestinais.

Nesse caso, o que podemos fazer se nosso cão irritar a pele? Oferecer-lhe um dieta de eliminação. Consiste em alimentá-lo por um período mínimo de 6 semanas com alimentos que você nunca experimentou anteriormente, para os quais você pode recorrer a uma dieta caseira ou a qualquer uma que esteja no mercado especialmente formulada para esses casos, hipoalergênicos ou hidrolisados. Se com a nova dieta os sintomas remeterem e retornarem se fornecermos a dieta original, o diagnóstico será confirmado. O tratamento consistirá em evitar comida ou comida que desencadeiam alergias. Para identificá-los, podemos refazer a dieta de eliminação, desta vez, com base em uma única fonte de proteína para identificar se é um tipo de carne ou peixe. No entanto, o mais eficaz é geralmente ir ao veterinário para submeter o animal a testes de alergia. Note-se que este tipo de alergia pode aparecer em qualquer idade.

Irritação da dermatite alérgica às picadas de pulga

Nesta dermatite, o cão reage aos antígenos encontrados na saliva da pulga. Assim, uma única picada é suficiente para que a irritação seja desencadeada. Esse problema pode afetar cães de diferentes idades e em qualquer época do ano, já que as condições da maioria das casas permitem que as pulgas sobrevivam em qualquer mês.

A irritação aparecerá no área lombossacraisto é, aproximadamente na cauda e na última parte do lombo, embora também possa se estender para os lados ou abdômen. Como na dermatite anterior, veremos que o cão irritou a pele e arranha muito, o que produzirá lesões como feridas ou alopecia. O diagnóstico é relativamente simples ao encontrar pulgas no animal ou em seus restos mortais na forma de bolas pretas que são seus excrementos. Se os molharmos, veremos que eles são feitos de sangue. Às vezes, não é possível identificar a presença parasitária, mas o diagnóstico correto será considerado se o cão responder favoravelmente ao tratamento antiparasitário.

Nestes casos, o que fazer se o cão irritar a pele estabelece, de acordo com nosso veterinário, um calendário rigoroso de desparasitação, além de um controle ambiental para eliminar todas as fases do parasita. É importante que todas as medidas se estendam a todos os animais que vivem juntos. Você tem que usar produtos que eliminam pulgas adultas e inibem formas imaturas.

Meu cão irritou a pele e arranhou muito - sarna sarcóptica

É uma dermatite causada pelo ácaro Sarcoptes scabiei em que veremos que o cão irritou a pele e arranhou muito, porque essa condição produz uma comichão muito intensa em que o cão literalmente não consegue parar de coçar. Além disso, é uma doença muito contagiosa e pode afetar cães, gatos e humanos, especialmente os menores, idosos ou doentes anteriores. Isso afeta muito o área dos cotovelos e orelhas e, como no restante da dermatite pruriginosa, veremos alopecia e autotraumatismo por arranhões, bem como crostas.

O diagnóstico pode ser alcançado através da visualização direta do ácaro ao microscópio após a coleta da amostra por raspagem. Lembre-se de que essa observação nem sempre é possível; portanto, nesses casos, o diagnóstico é confirmado quando o animal responde ao tratamento. Devido ao risco de contágio, é recomendado tratar o ambiente, aspirar com frequência e lavar bem as mãos após manusear o animal.

Recomendações para aliviar a pele irritada de um cão

Além das indicações acima, dependendo da causa subjacente, se ainda nos perguntamos o que fazer se nosso cão tem pele irritada ou como acalmar a pele irritada de um cão, podemos seguir uma série de recomendações, como:

  • Vá ao veterinário o mais rápido possível, pois isso impedirá que o cão se machuque e, consequentemente, a imagem piora.
  • Não devemos aplicar nenhum medicamento na pele irritada, pode ser contraproducente, além de dificultar o diagnóstico.
  • Também não devemos dar banho no cachorro antes de ter um diagnóstico que nos permita usar o xampu mais adequado. Lembre-se de que não é bom lavar cães com muita frequência, a menos que esses banhos façam parte do tratamento. No entanto, se por algum motivo não pudermos procurar o especialista imediatamente, nosso cão irritou a pele e arranhou muito, uma medida de emergência ou de primeiros socorros pode ser um banho de aveia.
  • Podemos aplicar como primeiros socorros compressas frias (mas não geada) se a pele do animal estiver muito quente ao toque.
  • Os óleos vegetais com propriedades hidratantes, como o azeite, também podem ajudar a aliviar a irritação da pele do nosso cão.
  • Temos que seguir escrupulosamente o tratamento prescrito pelo nosso veterinário.
  • Suplementos ou alimentos ricos em ácidos graxos ômega 3 ajudam a aliviar a coceira e melhorar a saúde da pele.
  • A prevenção de irritações dependerá de sua causa. Em geral, incluirá medidas como desparasitação periódica, dietas hipoalergênicas, evitam caminhadas nas horas de maior presença de pólen no ambiente, higiene e, acima de tudo, assistência veterinária rápida para que o problema não seja agravado.

Este artigo é meramente informativo, no ExpertAnimal.com não temos poder para prescrever tratamentos veterinários ou fazer qualquer tipo de diagnóstico. Convidamos você a levar seu animal de estimação ao veterinário, caso ele apresente algum tipo de condição ou desconforto.

Se você quiser ler mais artigos semelhantes a O que fazer se o meu cão tiver irritado a pele?, recomendamos que você entre na seção Problemas de pele.

Shar pei e bulldog, raças de pele muito delicada

Certas raças de cães têm maior predisposição genética para sofrer problemas dermatológicos, como alergia ou dermatite atópica. As características físicas de certas raças, que têm dobras na pele, como shar Pei ou bulldog, tornam-se um ponto fraco desses cães.

O atrito que ocorre com as rugas da pele causa irritação e é um terreno fértil para o acúmulo de bactérias que podem causar infecções.

Chow chow, west highland terrier e beagle são outras raças que requerem cuidados dermatológicos especiais para evitar alergias, coceira ou irritação.

Alimentos de qualidade e higiene adequada são questões que os proprietários dessas raças podem levar em conta para mantenha a pele de seus animais saudável.

Sintomatologia da dermatite

A maneira mais fácil de determinar se um cão tem dermatite atópica é porque Você pode ver visivelmente avermelhado ou urticária.

Também o cão coça com frequência, granitos aparecem e a pele pode secar. Lembre-se de que, embora os alimentos sejam as principais causas de alergias, eles também podem apresentá-los por agentes externos, como picadas de insetos ou pólen.

Reações alérgicas eles geralmente aparecem primeiro em uma área e expandem gradualmente. As áreas mais comuns são as orelhas, axilas, barriga e inglês.

Normalmente primeiro há uma vermelhidão ou irritação que acaba sendo empolada. É importante cuidar de feridas na pele, pois elas tendem a se infectar.

Você deve observar seu cão quando apresentar uma lesão na pele devido a uma alergia, pois, Devido à picada que produz, tende a arranhar ou morder a área com frequência e insistência, por isso acaba agravando as lesões, e você pode até perder cabelo nas áreas.

É importante identificar a origem das alergias, porque Em casos graves, eles podem afetar outros problemas que não a pele. Por exemplo, pode ocorrer inflamação do sistema respiratório, asma, doenças gástricas ou oculares.

Intolerância ou alergias alimentares

Algo que você deve ter em mente é que existem dois tipos de reações aos alimentos que não devem ser confundidas, mesmo que o tratamento seja o mesmo:

  • Intolerância aos componentes de um ou mais elementos da dieta do seu cão Geralmente leva a vômitos e diarréia.
  • As alergias, por outro lado, tendem a causar o tipo de reações que listamos acima devido a qualquer alérgeno presente nos alimentos que causou uma reação dérmica.

Nestes casos, um dieta de eliminação, para tentar identificar o tipo de alimento que gera a alergia. Além disso, fatores externos e outros problemas também devem ser descartados.

Muitos cães tendem a se desenvolver alergia a produtos fabricados industrialmente, como alimentos para animais, sugere-se a compra de alimentos especializados (ou hipoalergênicos), o que tende a melhorar o problema de maneira notável.

Se persistirem dificuldades, mesmo com o uso de ração especializada, é melhor substituí-las por uma dieta caseira.

Como agir contra uma reação alérgica da pele

Além de iniciar a dieta de eliminação, existem alguns ações que você pode executar para aliviar um pouco os sintomas que seu cachorro sofre.

Inicialmente Recomenda-se levar o cão imediatamente ao veterinário, caso você detecte algum tipo de inconveniente na pele do seu animal. Isto irá recomendar o tratamento apropriado para ele.

Lembre-se que é melhor Não medicar seu cão ou aplicar qualquer coisa para as feridas até que seja avaliada pelo veterinário. Também é aconselhável limpar e manter a área seca para evitar a proliferação de bactérias.

Existem raças mais propensas a alergias, como o boxeador, o labrador, o pastor alemão e o schnauzer.

Lembra que você não deve usar medicamentos para humanos em seu cão, incluindo pomadas. Geralmente, os problemas cutâneos de origem nutricional são tratados através da substituição da dieta, controlando que a lata não seja arranhada excessivamente e enquanto as pomadas são aplicadas nas áreas afetadas.

Pin
Send
Share
Send
Send